15.6.07

perfume de terra

sentindo-te
a boca húmida quase sem querer
apeteceu-me uma colina
um chão
perfume de terra
perfume de ti
e a colisão amorosa num cosmos de cabelos suados
mãos
tuas
percorrendo vales e rios
à procura do que sou
descobrindo-me enfim nos olhos de uma noite qualquer
desde que seja uma noite quente
e sem remorsos

No comments: