30.11.15

calmaria

calmaria de bonança me inunda os braços de mar
já caídos sob a maré vazia do teu corpo

lua cheia numa madrugada suave e límpida
como água corrente

sussurrar de ramos floridos no outono

frases soltas e dispersas, soluçando nesta mesa
de telhas partidas

Ouvi-te. Cantavas no cimo da colina, com um
pássaro poisado no corpo mansamente belo e
transparente.

Queria viver assim, simples, crua, fluida.
Como uma estrela pendurada nos teus cabelos.




10.6.15

E tu dormias. Nu.

Há quanto tempo! Cantámos. Fizemos amor. Os dois. Os vinte.
Tu amas-me? Não, não quero mais vinho. Beijei-te. Eu lembro-
me. Tinhas medo? Eu tive. Quando o chui berrou o meu nome
e o rádio explodiu. Depois deixaram-nos passar.
E os degraus ainda estão lá, cheios de pó e de pontas de
cigarros afogadas em leite.

Escuta... bate. O meu coração rebentou como uma granada.
Fiquei presa pelos cabelos. E tu dormias. Nu.

Que sede esta me estrangula os olhos e me tira
a serenidade que plantaste em mim, ainda ontem...

19.3.15

à flor da água


páro um instante
enquanto a lua sobe
e a noite cresce lenta e segura

páro um instante
e invento o teu perfil
à flor da água nua e murmurante